É possível conciliar o bem estar individual com o bem estar coletivo?

Na nossa vida  conseguimos ver diferentes tipos de pessoas, com desejos e objetivos de vida distintos. Para uns a luta pelo bem comum transcende qualquer outra ambição individual, para outros, a conquista de uma vida melhor é a principal prioridade.

Na minha opinião, estes dois estilos de vida podem-se conciliar na sociedade atual, através do individualismo, pois a filantropia e o bem estar coletivo só poderão ser aprimorados através do bem estar individual.

Um grupo de pessoas, antes de ser apenas um grupo, é um conjunto de indivíduos, com desejos e objectivos individuais. Quando diminuímos o indivíduo apenas ao bem estar coletivo do grupo, estamos também a diminuir o potencial do grupo. A sociedade funciona como um mecanismo descentralizado de ações que trabalha em conjunto com todos os indivíduos que a ela pertencem. Dependemos uns dos outros. Para por exemplo eu atingir uma vida melhor que tanto anseio, preciso de dar algo em troca à sociedade. O meu valor como pessoa e a minha melhoria de vida está diretamente proporcional àquilo que consigo dar à sociedade, daí a importância de primariamente se garantir a conquista de uma vida melhor individualmente.

Individualismo é uma fonte de rendimento individual, mas sobretudo coletiva, porque se um grupo de pessoas se focar nos seus interesses e objetivos, como já falei anteriormente, terão de retribuir com algo em troca à sociedade, melhorando assim inevitavelmente o bem comum. A partir do momento que colocamos o interesse coletivo à frente do interesse individual, teremos uma violação da liberdade individual, acabamos por diminuir o indivíduo até à sua forma mais simples, que são as suas necessidades básicas.

Resumindo e concluindo, sim, na minha opinião estes dois estilos de vida são conciliáveis na sociedade atual, mas apenas quando tomamos o bem estar individual e o individualismo em si como motor para estes objetivos que parecem tão distintos mas que na realidade se complementam.