O que se diz e o que se sabe

Casal defende a sua propriedade durante protesto e a importância de uma mídia transparente

A SIC “mentiu” (talvez o termo mais correto seja descontextualiza), algo que o polígrafo não detetou, sendo o recorrente apenas interpretar os memes de direita como informação, ignorando o contexto de qualquer post. E os memes de esquerda… bem, esses eles não abordam, ou porque aparentemente descobriram a noção de humor e aprenderam a interpretar o contexto, ou porque não convém.

O que está em causa?
Na passada segunda-feira, dia 29 de julho, a SIC cobriu a notícia sobre o casal polémico de S. Louis que reagiu à manifestação, que a SIC diz ser “pacifica”, para demitir a autarca Lyda Krewson. O titulo “Casal aponta armas a manifestantes que participavam em protesto pacífico nos EUA”, seguido do comentário “O Presidente Donald Trump partilhou o vídeo do momento no Twitter.” para a combinação perfeita do clickbait sencionalista e descontextualizado.

No próprio dia, o casal, Mark e Patricia McCloskey, afirma ter apontado as armas em defesa da sua propriedade, porque sentiam ter a sua segurança a ser ameaçada. Durante a entrevista, Mark afirmou “Eles ameaçaram a vida ao nosso cão e tentaram queimar a casa”. Mark também afirma que os protestantes destruíram o portão do condomínio privado, detalhe que a SIC fez questão de não documentar na sua notícia.

A entrevista está disponivél no tweet abaixo:

Imagens do portão destruído perto da casa de Mark e Patricia McCloskey.

As peças não encaixam. Por um lado usa-se o “protesto pacífico”, que ainda que esta afirmação possa ser bastante discutida, é inegável os excessos praticados. Por outro tenta-se associar a isso um casal a agir em legítima defesa para defender a propriedade deles, a qual visivelmente estava a ser invadido pelos protestantes em vídeo, após os portões do seu condominio serem arrombados. E, para juntar a este amontoado de desonestidade informativa, encontra-se ainda o sencionalismo de meter o Trump ao barulho, ainda que não tenha nada haver com o assunto. Mas o facto do casal já ter feito inúmeras doações para o Partido Democrata é simplesmente ignorado.*

*É preciso ter em conta que nos últimos 20 anos Mark McCloskey tem feito inúmeras doações, seja para o Partido Democrata, como para o Partido Republicano. O que está em causa é o uso sensacionalista da partilha do Trump para tentar espalhar informação parcelada sobre o assunto.
Com este texto não me proponho a cobrir o caso, ou a afirmar-me como fonte de informação credível. Existe muita informação credível e confiável disponível e ainda existe muita informação por ser apurada. Ainda não existe informação sobre quem e quando destruiu o portão da propriedade privada.

É de se comentar que foram cometidos vários erros pelo casal na sua defesa, que são necessários ser mencionados, como manter o dedo no gatilho, não terem prática com as armas no que toca à forma de serem agarradas, e demonstrarem não possuir princípios básicos de gun training, como apontar a arma para a esposa em vez de para o chão, ou não ter a arma encostada ao ombro (o que pode levar a uma lesão). Isto tudo vem reforçar o pronunciamento do casal que afirma ter comprado as armas há pouco tempo para se defender das manifestações.

No entanto, mesmo que o protesto pudesse ser considerado pacífico, parece ser inegável que existiram excessos, algo comum em várias manifestações, para além do aproveitamento mediático de alguns mídias, que espalham meias-verdades e factos descontextualizados sobre o caso, acabando por induzir a interpretações enganosas e não condizentes com tudo o que já se sabe sobre o caso, causando um aproveitamento político sobre este. Não é honesto meter “protestos pacíficos” num título, ignorando uma invasão de propriedade privada, e usar a partilha do Trump para rotular este casal. É também ignorado o facto da governadora ser democrata pelos mesmos motivos.

Cada vez mais nasce a necessidade de uma mídia independente, transparente, tendencialmente imparcial e quando não o consiga ser, ao menos que o assuma, contrariamente a estas interpretações enviesadas com um rótulo ideológico embutido (mais não seja por motivos lucrativos).

É também necessário reforçar, por fim, que a propriedade privada é um direito fundamental do ser humano e a sua defesa também. O casal estava a proteger o seu apartamento que estava a ser invadido, durante protestos realizados num condomínio privado. Embora tenha existido uma troca de ameaças por ambas as partes, não houve uma troca de balas, sendo a sua resolução igualmente pacífica, embora alguns mídias também não abordem isto.