Wembley, o Coliseu Cultural do Século XX

Há sempre quem nutra uma certa admiração por várias infraestruturas mundialmente icónicas, sejam elas de valor histórico incalculável (como o caso das Pirâmides de Gizé ou a Muralha da China, por exemplo), ou de construção “relativamente” moderna, podendo ter 100 anos ou menos. No meu caso, considero fascinante a história e feitos cimentados pelo antigo Estádio de Wembley, palco de momentos que marcaram o século XX. Com isto, espero que o leitor fique a conhecer uma nova história, e se conhece, que possa retirar alguma informação nova sobre este “coliseu cultural” de outrora.

Breve História das Origens do Estádio de Wembley

Para abordarmos a edificação do Estádio de Wembley, teremos que expor primeiro o que foi a British Empire Exibition, de Abril de 1924 a Outubro do ano seguinte, em Wembley, no Norte de Londres. Esta exposição pretendia demonstrar a grandeza e poder imperial da Grã-Bretanha na época, através de construções imponentes e modernas para a altura. Com isto, um ano antes da exposição, o inicialmente denominado British Empire Exibition Stadium, com as suas agora históricas torres gémeas, fora inaugurado pelo rei britânico, Jorge V, e custou aproximadamente 750 mil libras, estando edificado em cima de um projecto abandonado em 1907, a Torre Watkins, que ambicionava “rivalizar” com a Torre Eiffel em Paris. No término da exibição, a demolição do estádio era uma realidade, não fosse a acção de Sir James Stevenson, que impediu a demolição, e de Sir Arthur Elvin, que comprara o agora Estádio de Wembley. Mais tarde, Elvin venderia o estádio à Wembley Company, tornando-se accionista.

Actividades Desportivas em Wembley

O Estádio de Wembley foi anfitrião de diversas modalidades desportivas, nas quais podemos destacar as seguintes:

  • Rugby (sede do Mundial da Rugby League de 1995, e simbólico centenário da mesma)
  • Automobilismo;
  • Corridas de Galgos;
  • Futebol Americano;
  • Motociclismo (Circuito Wembley Lions);
  • Basebol;
  • Pugilismo (Henry Cooper contra Muhammad Ali em 1963, vitória de Ali);
  • Wrestling (WWF SummerSlam 1992);
  • Skiing;
  • Equitação;
  • Lacrosse;
  • Hóquei;
  • Futebol;

O Estádio de Wembley teve ainda a honra de ser o estádio principal dos Jogos Olímpicos de 1948 em Londres, os primeiros após a II Guerra Mundial, o que fez com que ficassem conhecidos como os “Jogos da Austeridade”, devido ao clima do pós-guerra em Inglaterra. Focar-me-ei agora na principal modalidade praticada no histórico recinto, o futebol.

Wembley é a catedral do futebol, a capital do futebol e o coração do futebol”.

Pelé, lenda futebolística

O Futebol em Wembley

O antigo Estádio de Wembley foi a casa da selecção inglesa de futebol de 1923 até 2000, assim como o palco das finais da Taça de Inglaterra, Supertaça e Taça da Liga inglesa. A sua primeira final da Taça de Inglaterra é certamente das mais impressionantes, a White Horse Final, disputada em 1923 entre o West Ham United e o Bolton Wanderers. O que a torna interessante foi a sua assistência, de cerca de 240 mil espectadores, num estádio que tinha como capacidade “apenas” 127 mil.

Sediou 5 finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus (a actual Liga dos Campeões), sendo que duas contaram com a presença de um clube português, o Benfica, nos seguintes anos:

  • 1963: AC Milan 2-1 SL Benfica;
  • 1968: SL Benfica 1-4 Manchester United;
  • 1971: Ajax 2-0 Panathinaikos;
  • 1978: Liverpool 1-0 Club Brugge;
  • 1992: Sampdoria 0-1 FC Barcelona.

No entanto, foi em 1966 que o Estádio de Wembley viveu a sua épica tarde de futebol, com a vitória da Inglaterra sobre a República Federal da Alemanha por 4 bolas a 2. Num jogo com polémica à mistura sobre a validação de um golo inglês, a Inglaterra conquistou o seu único título mundial, a Taça Jules Rimet, na final do Campeonato Mundial de Futebol de 1966.

O mundial em questão fica também marcado para a selecção portuguesa, que marcava a sua primeira presença numa competição futebolística da FIFA. Os “Magriços” ficaram num histórico 3º lugar, perdendo contra a Inglaterra na meia-final em…Wembley, o palco da glória inglesa, o que significou o fim do sonho de conquista, que foi consolado com a conquista do 3º lugar face à URSS, num torneio onde Eusébio, o “Pantera Negra” foi o melhor marcador, com 9 golos.

30 anos depois, em 1996, a Inglaterra sediou o Europeu de Futebol UEFA 1996, ou Euro 96. Encorajados pela música “Three Lions” e pelo plantel com jogadores de grande categoria, o povo inglês tinha confiança na sua selecção, Contudo, neste torneio a Inglaterra não venceu, ficando pela meia-final, perdida nos penáltis contra a agora unificada Alemanha, que venceria a prova, na final contra a República Checa. Ironia do destino? O leitor confirmará isso mais à frente no artigo.

Como curiosidade adicional para o leitor, o clube londrino Arsenal FC tentou a compra de Wembley em 1998, devido à incapacidade de expandir o seu estádio na época, Highbury. A compra caiu por terra, levando o clube a inaugurar em 2006 o seu actual estádio, o Emirates Stadium.

Os Espectáculos

O Estádio de Wembley foi uma autêntica potência relativamente a concertos e espectáculos, com diversos concertos que entrariam para a história da música e do entretenimento, destaco assim os seguintes artistas:

  • Live Aid (para causas humanitárias em África);
  • Queen (Possivelmente dos concertos mais icónicos de sempre);
  • Michael Jackson (o artista que mais vezes apareceu em Wembley, num total de 15 vezes);
  • Tina Turner;
  • Oasis (o último grande concerto em Wembley);
  • Madonna;
  • Guns N´Roses;
  • David Bowie;
  • Pink Floyd;
  • U2;
  • Rolling Stones;
  • Elton John;
  • Entre outros grandes artistas e bandas…

Até poderíamos considerar que o Estádio de Wembley se convertera num santuário, aquando da viagem do Papa João Paulo II à Grã-Bretanha, onde deu a missa a 29 de Maio de 1982, num estádio lotado de fiéis e curiosos.

O Fim de Wembley

No virar do século, e no início de um novo milénio, a FA (Federação Inglesa de Futebol) julgou que os dias de Wembley já haviam passado, e que se precisava de reconstruir o mítico estádio. Houveram vozes contra, mas não haveria volta a dar. Wembley, infraestrutura do orgulhoso passado imperial britânico, seria demolido e reconstruído.

Assim, como uma despedida solene, a última partida disputada em Wembley seria a contar para a fase de qualificação do Mundial de 2002 na Coreia do Sul e Japão, e seria entre a Inglaterra e a Alemanha a 7 de Outubro de 2000, confronto historicamente simbólico. Azar para os ingleses, e derradeira ironia, perderam por uma bola a zero, o que levou ao despedimento do técnico inglês da altura, Kevin Keegan. Nesse dia cinzento, as portas de Wembley fecharam, estando a sua demolição marcada para a época de 2002/03, marcando assim o fim de uma era marcante não só na Grã-Bretanha, mas também na cultura do século XX. O “novo” Wembley começaria as obras em 2003, encontrando-se concluído em 2007. As torres gémeas seriam agora história, uma vez que o novo estádio possui um grandioso arco, que está por cima de todos os acontecimentos.

Conclusão

Em suma, a minha admiração por esta emblemática infraestrutura de outrora mantêm-se, devido ao seu valor histórico, palco de diversos eventos que marcaram a história cultural britânica, europeia e mundial, e por levar ao extremo, a meu ver, o termo “multi-usos”, algo que certamente a distingue das demais. Dito isto, espero que o leitor tenha aprendido algo novo, e deixo esta questão ao mesmo: Deveria o Estádio de Wembley ter sido demolido e reconstruído, ou renovado para os dias de hoje?

Bibliografia: